Tipologia de Passada

0
2121

A corrida é a modalidade escolhida por muitos para iniciar a actividade desportiva. Esta modalidade tem inúmeras vantagens e embora possa ser desenvolvida sem grandes custos, é aconselhável a utilização de equipamento adequado.

Ao nível do vestuário, este deve ser prático e ajustado ao corpo de forma a manter a liberdade de movimentos. No que ao calçado diz respeito, o assunto é já bastante discutido entre os praticantes levando, por vezes, a alguma confusão. Com este artigo, pretendemos esclarecer quaisquer dúvidas.

O calçado de corrida é feito para envolver o pé e protegê-lo do impacto, mas também para optimizar os resultados do atleta, que poderá correr por mais tempo e mais rápido, sem ter que se preocupar com eventuais ferimentos ou lesões.

Há vários factores que devem ser tidos em consideração na escolha do calçado de corrida:

  • Características anatómicas do pé;
  • Tipo de passada;
  • Peso do atleta;
  • Piso da corrida;
  • Ritmo da corrida;
  • História clínica a nível de lesões.

Características anatómicas do pé

Plano

Possui uma curvatura muito pequena e deixa uma faixa quase completa entre o peito do pé e o calcanhar. Os atletas que possuem pés planos – ou chatos – devem seleccionar calçado nas categorias de Pronador ou Pronador Severo.

plano

Neutro

Deixa uma faixa que liga o peito do pé e o calcanhar, um pouco mais ampla do que o pé cavo, mas que ainda tem alguma curvatura. Os atletas com pés neutros devem seleccionar calçado nas categorias de Neutro ou Pronador.

neutro

Cavo

Deixa uma marca com uma faixa estreita ligando o peito do pé e o calcanhar. Conhecido como pé supinado ou subpronado, os atletas com este tipo de curvatura devem seleccionar um calçado nas categorias de Supinador ou Neutro.

cavo

Tipo de Passada

Pronação

A pronação acontece quando há uma rotação interna excessiva do pé e do tornozelo. Desta forma, é posta mais tensão na estrutura do pé, o que pode desalinhar o tornozelo, os joelhos e os quadris. A pronação desperdiça energia, fazendo com que seu estilo de corrida seja ineficiente e aumenta o risco de dores na canela e articulações, ou até mesmo lesões, caso o atleta utilize o tipo de calçado errado.

Neutra

A passada neutra é o tipo ideal de passada, uma vez que possui um nível equilibrado de pronação e supinação e cria uma absorção de choque eficiente na fase de apoio da passada. O arco do pé tem altura média e o calcanhar permanece em posição vertical em relação ao solo. Um atleta “neutro”, geralmente, é bio mecanicamente mais eficiente e o risco de lesões é menor.

Supinação

A supinação é o oposto da pronação e descreve uma situação em que o pé rola para o lado de fora. Neste caso, as forças durante o ciclo da passada não são distribuídas igualmente pelo pé. O peso do corpo do atleta fica nos dedos de fora, o que pode gerar lesões, principalmente nos joelhos, pés, e nas costas.

Piso da corrida

O piso onde habitualmente corre é um factor a ter em linha de conta na escolha das sapatilhas. Se correr em terra batida (trails, por exemplo), deve utilizar umas sapatilhas com maior tracção na sola. Por sua vez, se corre mais em asfalto a escolha deverá incidir numas sapatilhas com maior capacidade de amortecimento.

Ritmo da corrida

Referimo-nos ao ritmo da corrida (velocidade) e não à frequência da mesma (numero de corridas semanais). Se corre a um ritmo mais elevado, a escolha das sapatilhas poderá recair numas mais leves, para que o esforço em cada passada seja menor, se bem que estes modelos, para perderem alguns gramas, retiram ao calçado alguns materiais associados ao conforto e acima de tudo à protecção do pé. Tenha em atenção este aspecto na escolha do calçado de corrida.

História clínica a nível de lesões

Este factor é um dos mais importantes para a escolha das sapatilhas. Um atleta que tenha repetidas lesões de sobrecarga ou patologias relacionadas com a coluna lombar, deverá escolher um calçado com bom amortecimento.

Podemos identificar algumas lesões comuns nos corredores. Entre elas as mais comuns tendinite de Aquiles, fascite plantar, “joelho de corredor”, síndrome da banda iliotibial, micro-fraturas de stress ou canelites são exemplos dos sintomas que podem ocorrer. Em próximos artigos iremos abordar as suas causas e, mais importante, indicar alguns truques para as evitar.

Embora possa ser tentador terminar uma corrida e ignorar os alongamentos, somos (todos) melhores que isso. Alongar tem muitos benefícios, incluindo o aumento da amplitude de movimento e uma melhor coordenação muscular. Visite o nosso artigo sobre Alongamentos para a corrida para saber todos os benefícios e exercícios a realizar antes e após cada corrida.

 

Referências

Fraioli, M. 10 de Março de 2014. The 5 Most Troublesome Running Injuries. Obtido de competitor.com: http://running.competitor.com/2014/07/injury-prevention/the-top-5-most-troublesome-running-injuries_11316

Ferreira, Ernesto. Como escolher as sapatilhas. Espaço técnico – Medicina desportiva. http://www.gfd.pt/docs/como-escolher-as-sapatilhas.pdf

Schwecherl, L. 29 de Março de 2015. The Most Common Running Injuries and How to Avoid Them. Obtido em Greastist: http://greatist.com/fitness/most-common-running-injuries-and-how-avoid-them

Tipo de pisadas obtidos de: http://www.asics.com.br/tipos-de-pisada/

Deixar uma resposta